Artigo nº 004 - cartas e bate-papos

Conversando com Maria Lucia de Andrade Pinto (3)


MARIA LUCIA (em 15/02/12) - Salve Renato! Gostei muito dos seus dois novos artigos.
A moça pós-moderna da UFF é mesmo um espanto! Consumidora de teorias, lá vai ela saltitando em busca da última moda.
Teoria vista como mercadoria, com fetiche e tudo.
Numa hora dessas me daria uma vontade compulsiva de fazer molecagem e perguntar pra menina, na maior seriedade: Você já leu Narbord Kereaadenborg, o ultra-moderno filósofo proto-simbólico norueguês,que partindo de uma comparação das visões cósmicas de Heráclito, Demócrito e Epicuro,encontrou no De Rerum Natura, de Lucretius Carus, indícios da metalinguagem exorcizante da moderníssima parapsicóloga russa Natacha Kirikoff?
E iria sugerir que ela me apresentasse uma análise dicotômica, em oito laudas, comparando as visões drônicas do inexistente filósofo proto-simbólico e da fictícia parapsicóloga russa com o conteúdo simbólico estrutural do vídeo:
http://www.youtube.com/watch?v=Sgd4xLmLBrc&feature=player_embedded

Se ela ousasse pedir esclarecimentos, fazer qualquer perguntinha, logo insinuaria que até parecia que ela era uma pós-moderna fake, de meia tigela e encerraria abruptamente o papo.

Quanto ao seu artigo imediatamente anterior, sobre as marotagens do serginho cabral, fiquei muito irada. O que é desesperador é sentir que se vai aceitando todos esses absurdos e o que resta da educação pública só faz descer ladeira abaixo. Diminuir a carga de aulas de filosofia e de sociologia só pode ser ordem da CIA e do DEA.
O pior é que, perdidos naquela pá de matérias descosturadas, os alunos não se dão conta da importância da filosofia e da sociologia marxista, a não ser que a gente consiga pegá-los pela emoção.
Aqui com a garotada que quer se dar bem no ENEM pensando no PROUNI e no SISU, temos conseguido capturar as emoções, a partir da análise do que está se passando no momento no mundo, em especial na América Latina, tendo o pensamento do Fidel e do Chávez como referência. E tome Calle 13, o argentino Ignacio Copani
http://www.youtube.com/watch?v=hIOVSHRzpaU
essa é sobre Evita Perón, muy linda canción,
http://www.youtube.com/watch?v=Se6ezXRjeW0
o venezuelano Ali Primera ( Techos de Cartón)
http://www.youtube.com/watch?v=0S-Bd1M5KNc
e por aí vai.
Daí as tvs venezuelanas e cubana serem nossas principais fontes. Por esse caminho, a gente chega no socialismo científico, sem assustar ninguém aqui de Vassouras, essa terra oligarcas com ranços de barões. E ainda tira a molecada do inglês (língua de maluco) e joga no dulce español.
Como você alerta nesse seu artigo, a privatização do ensino no nosso RJ dispara. E na saúde, idem.
E como os ex-partidos políticos de massa no RJ, como PT, PDT, PC do B e PSB fizeram água, foram invadidos e aparelhados, estamos numa sinuca de bico. Um deserto de políticos minimamente confiáveis.
Antes que isso vire outra momumental missiva, me voy. Mas acho que já virou.
Esse povo da minha idade não sabe escrever email. É só missivas, longas, com jeito de carta antiga. Idosos adoram manter tradição.
Buenas noches, Compañero Renato.
Não esquenta de responder. Sou aposentada e você aí firme na luta, deve ter pouco tempo para jogar conversa fora.
Quando tiver novidades, conto.
Venceremos!

RENATO (17/02/12) - Primeiramente, não penso que estejamos jogando conversa fora... É sempre um prazer conversar consigo.
Em segundo lugar, adorei os vídeos que você me enviou.
Concordo que o inglês é uma língua de maluco, mas também de preguiçoso: como fica demonstrado na conjugação verbal.
Sobre o comportamento pós-moderno da 'aluna como tantas outras' vale a sugestão do ultra-moderno Narbord Kereaadenborg. Ri muito...
Aliás, a respeito do vídeo indicado a ela 'Da servidão moderna', de Jean-François Brient, é sem dúvida muito interessante, mas traz alguns ranços da dita 'esquerda pós-moderna', muito embasada pelo posicionamento de filósofos problemáticos como Nietzsche, Schopenhauer, Heidegger e, mais modernamente, Foucault, Deleuze e Guattari, Baudrillard e Maffesolli. A crítica a todo tipo de poder, crítica que parece isenta, busca esconder a necessidade de construção de um poder social alternativo ou de uma fo rça social alternativa, como o socialismo ou comunismo fazem. Acabam colocando na berlinda toda forma de poder, independente de sua origem, abrindo espaço assim para a solução individualista do anarquismo ou a solução ao estilo nazista (uma espécie de darwinismo social que substitui o conceito de classe social pelo conceito biológico e/ou cultural de raça) ou neoliberal (que só questiona os poderes estatais, esquecendo-se que o capital é poder ilegítimo, não-eleito).
Acho deplorável a parte do filme em que aparece Stálin como um ditador qualquer e sem escrúpulos, como um agente do tal 'poder universal' a ser combatido, em nome da 'democracia como valor universal' e outras teses ridículas e afeitas à universalisação de conceitos. Nietzsche, a meu ver, pecou por querer estar acima do bem e do mal, falhou pelo niilismo e também pela sua concepção mítica do super-homem.
Bem, mas há méritos no filme, malgrado tudo isso: a denúncia do cap italismo mercante (prefiro o termo capitalismo financeiro), do servilismo e do escravismo que leva a destruição do ser humano, dos seres vivos e da Terra... Contudo, fico por aqui para não lhe encher o pacová!
Escreva sempre que quiser!
Um fraterno abraço.

MARIA LUCIA (em 18/02/12) - Perfeita a sua análise do vídeo "Da Servidão Moderna".
Não tinha sacado tudo isso que você tão bem analisou a fundo.
Só intui que a moça pós-moderna apreciaria o vídeo (que, em resumo, tinha achado pernóstico e sem rumo, porque o ideário do vídeo me pareceu coisa daqueles existencialistas ansiosos, angustiados e desesperados que se diziam "meio-marxistas" mas que na verdade estavam era a fim de fazer confusão nos espíritos e enfraquecer a luta proletária).
Esse vídeo tem uma origem suspeita, uma ONG meio misteriosa é a patrocinadora. Acho que deve ter sido concebido com o intuito de entusiasmar esse povo cabeça vazia - de um modo geral - que anda a se "indignar" e a "ocupar" mundo afora, a armar "primaveras árabes" e que tais mas não sabe de onde vem nem para onde vai o vento ou muito menos o que é que a banda toca. E a CIA e assemelhados vão só soprando o rumo do vento e dando o tom da música. Aí é aquela mistureba doida: onda hippie, catastrofismo, soluções ingênuas, pessimismo fascista, anarquismo inconsequente e tudo mais que consta muito bem formulado das suas considerações.
Agora sou capaz de apostar que a aluna pós-moderna iria adorar esse vídeo! Já Heráclito, Demócrito, Epicuro e Titus Lucretius Carus iria achar obscuros e fora de moda, uns verdadeiros tios jurássicos.
Agora, seriedade: ao ler a sua análise do vídeo achei muito precisa e instigante. Sugiro fortemente que você aproveite o que escreveu a respeito do vídeo, transforme num artigo e publique.
Pode talvez, ampliar um pouco mais aquele aspecto da crítica ao Neoliberalismo.
O que os neoliberais estão fazendo com os gregos tem requintes de perversidade incríveis. Ontem, por exemplo, assisti um telejornal de uma TV francesa, que se baseia só nessas agências de notícias dos países imperialistas: eles entrevistaram gregos de classe média, que declaram "nós gregos somos culpados, votamos mal, não percebemos que o país estava se endividando, que vergonha!" e outras idiotices do gênero. Aí vieram umas matérias sobre aumento descomunal da taxa de suicídios entre jovens e não tão jovens gregos que acabam de ficar desempregados. Logo a seguir, uma longa matéria sobre um casal que levou horas tentando se atirar da janela de um edifício, por terem ficado ambos desempregados. Pano rápido e entra um padre grego que dirige uma instituição, originalmente destinada a cuidar de crianças filhas de pais com tóxico-dependências graves e se diz atônito porque diariamente, nos últimos meses, chegam pais que não são tóxico-dependentes mas que se encontram em desepero diante do desemprego e deixam seus filhos e, às vezes, pais idosos pedindo que tomem conta deles porque vão tentar migrar em busca de emprego.
Junte-se a todo esse terror do desemprego em massa, dos cortes de salários, de pensões,do próprio salário mínimo, em 22%, o drama dos museus saqueados, os prédios históricos em chamas.
Fiquei pensando que a intenção oculta daquele telejornal era induzir os europeus a pensar que a solução é o desespero, a morte e a se sentirem culpados por tudo que está a acontecer.
Que crápulas esses neoliberais!
E como a gente sabe que aquilo é só o começo de uma onda que vai varrer a Europa toda e vai se propagar mundo afora ...
Por outro lado, no telejornal Dossier, do Walter Martinez, da Venezolana, frequentemente entrevistam trabalhadores gregos, com excelente nível de consciência de classe. Eles estão a fim de partir para o enfrentamento com a classe dominante. O Partido Comunista Grego hoje é pequeno, mas tem uma bela história.
Será que os gregos, desesperados com o tal Partido Socialista Grego, vão nos surpreender e avançar politicamente? Ou vão fazer o que fizeram os espanhóis, nas eleições de dois meses atrás, que votaram em massa na direita puro sangue?
Esperanças:
http://www.vermelho.org.br/am/noticia.php?id_secao=9&id_noticia=173813
Aquele blogueiro português,que mora em Moçambique, do blog "Navegador Soldário",de que lhe falei num email inicial, o Agry, começou um novo blog para dar combate ao Neoliberalismo.
Vou botar pilha, comentando daqui a pouco por lá.
http://notasdeagry.blogspot.com/
Aqui no Brasil o Neoliberalismo também está mostrando sua fúria privatizadora. E como!
E há estranhos sinais: o Brasil votou com a cambada imperialista a favor de sanções contra a Síria, anteontem na ONU. Largou a China, Russia, Cuba, Venezuela, Equador, Bolívia, Argentina pra lá e fechou com o imperialismo. Em abril, a Dilma vai visitar o Obama e ele já declarou que irá pressioná-la em relação ao Irã. Em Cuba ela deu uma declaração bem linha justa. Vamos ver agora se mantem o prumo ou se vacila.
Com votos de um bom carnaval, segue o abraço fraterno e solidário.